terça-feira, 11 de maio de 2010

De encher os olhos - e ouvidos


Vi com muito, muito atraso o vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro 'O Segredo dos Seus Olhos'. E fiquei impressionadíssimo com a qualidade do cinema do argentino Juan José Campanella (o mesmo de 'O Filho da Noiva'). Em algumas críticas anteriores, li que o filme era longo e poderia cansar. Sério, isso é impossível. Como é impossível não se entregar à trama de Benjamin Espósito (o excelente Ricardo Darín) e sua fixação em encontrar o assassino de uma jovem moça, incentivado pelo marido dela - que não quer vingança com a própria vida, apenas a prisão perpétua do culpado (ou suspeito?).
Há muito a falar das virtudes de O Segredo. Mas me atenho a duas. A primeira é um dos mais incríveis, belos e angustiantes plano-sequência que já vi - que começa numa cena aérea num estádio de futebol lotado e segue numa angustiante perseguição. Outra está nos elementos, sempre dosados de forma muito inteligente, que formam uma boa história: humor (excelente Pablo Sandoval), suspense e romance.
É um deleite aos olhos e ouvidos. É cinema como há muito tempo não via. De arrepiar os corações mais brutos... E o que dizer de um diálogo como esse: "Não se pode pensar tanto assim (na vida), se não você vive mil passados e nenhum futuro". Simplesmente arrebatador.

2 comentários:

Karen Albuquerque disse...

O filme é realmente impecável. Agora é aguardar Carrancho e Dos Hermanos que também prometem.

Pedro Henrique França disse...

Pois é Karen. Aguardemos. Mas deve vir coisa boa pela frente... Bjs.